sexta-feira, 27 de abril de 2012

NBS quer unir iniciativa privada e favelas pacificadas

Na mesa de debate no evento NBS Rio +Rio, Thiago Firmino (Santa Marta), Major Pricila, Miriam Leitão, André Lima, José Maria o Beltrame, Jerson (light), Sérgio Ricardo (Santander)”
Quadra do Santa Marta


O carioca está mais otimista e esperançoso com o futuro do Rio de Janeiro e isso graças ao processo de pacificação das favelas. É o que aponta recente estudo realizado pela agência nbs. A pesquisa, em parceria com o Instituto Copernicus, ouviu moradores de todas as regiões do Rio e entrevistou formadores de opinião, capitães das UPPS, líderes comunitários, sociólogos, gestores de ONGs, executivos da área pública, empresários e jornalistas. A nbs lança hoje o Projeto rio+rio, que tem, num primeiro momento, como objetivo facilitar a entrada da iniciativa privada nas comunidades pacificadas e gerar negócios que favoreçam ambas as partes.
Um dos maiores questionamentos do estudo desenvolvido pela nbs durante o último ano foi sobre qual seria o papel da iniciativa privada no processo de pacificação. Inúmeros fóruns de discussão foram realizados para entender o papel de cada um no processo de resgate da autoestima do carioca e uma equipe de profissionais da agência mergulhou na realidade das comunidades pacificadas, incluindo seus diversos pontos de vista – do morador aos comandantes –, mapeando desafios e oportunidades que podem e devem ser utilizados pelas grandes marcas.
"O projeto rio+rio materializa nosso pensamento de aproveitar o bom momento que o Rio está vivendo e devolver algo relevante à cidade. E nossa forma de atuação é convocar a iniciativa privada para fazer parte desta transformação social. O convite não é pra fazer filantropia ou doações. É pra fazer negócios que ajudem a promover desenvolvimento e gerar lucro sendo, ao mesmo tempo, agentes de integração social", avalia Andre Lima, sócio e diretor de criação da nbs.
Para ratificar o novo cenário do Rio com as UPPs, a agência convidou os artistas plásticos Mateu Velasco e Duda Simões para criar um mapa da cidade com ilustrações de um novo panorama do Rio de Janeiro, incluindo doze novas atrações turísticas localizadas nas UPPs, como o teleférico do Complexo do Alemão, a igreja na comunidade da Providência, o Cruzeiro do Morro dos Macacos, entre outras.
Também foi elaborada uma cartilha com dez dicas para as empresas que querem entrar com suas marcas nas UPPs. A intenção é conscientizar a iniciativa privada de que o modelo de negócio precisa ser repensado e adequado ao perfil de cada comunidade e isso exige conhecimento específico.
No ano em que comemora seus 10 anos de fundação, a nbs inagura seu escritório no Santa Marta por acreditar no processo de mudança do Rio de Janeiro. "No seu papel de empresa de comunicação, a nbs quer se colocar como uma facilitadora da aproximação entre empresas e as UPPs e pra isso decidimos montar uma base nossa no Santa Marta, como exemplo do discurso que estamos defendendo", afirma Antonino Brandão sócio e diretor da nbs.
Atualmente, o projeto de pacificação está presente em 21 comunidades e já impacta diretamente meio milhão de cariocas. Segurança pública é fator preponderante e que faz essa população ter mais visibilidade e condições ascender social e economicamente.

fonte: http://propmark.uol.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário